Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

do pipo ó copo

Ponte de Prado

do pipo ó copo

Ponte de Prado

AVÉ

Na mão trazia duas espigas rainhas, da esfolhada na quinta grande e embrulhado num paninho três fatias de pão e presunto para as crianças. As pessoas juntavam-se no tempo de esfolhar o milho, ajudando umas às outras. Enquanto os outros ficaram mais um pouco, à volta da mesa, a provarem o vinho novo, Rosa, pensando nas crianças que ainda deveriam estar a pé à sua espera, veio-se embora.

Estava uma noite morna, com um luar bonito e brilhante. No estreito caminho do Outeiro as sombras das ramadas rendavam o chão de terra.

Ao passar a casa do Serrela, na curva antes de casa, parou espantada. Sentiu um arrepio nas costas. Deitada no chão, com as mãos em cruz em cima do peito, estava uma senhora, vestida de branco, que o luar iluminava e tornava mais brilhante.

Rosa, passou encostada ao muro do outro lado, e depois apressou o passo até casa, olhando para trás repetidamente.

Fechou o pesado portão, e ficou encostada escondida no escuro, arfando com a mão no peito. Silêncio. “Já devem estar a dormir” pensou. A imagem da senhora não lhe saia da cabeça. Se era a Senhora de Fátima, o que fazia deitava na borda do caminho? Porque não falou e não se manifestou? Qual o significado de aparecer assim e não fazer nada?...

Encheu-se de coragem e pegou no pau de levantar a roupa a secar. Isto não fica assim, pensou. Armada com o pau dirigiu-se à senhora deitada, que continuava imóvel na mesma posição.

A medo, encostou-se ao muro, e meio dobrada procurando esconder-se nas sombras, esticou as mãos, segurando o pau pelas pontas e tocou na cabeça deitada. O barulho foi-lhe familiar: plástico. Era um saco plástico de adubo. Levantou-o com o pau e este estendeu-se no meio do caminho. O luar iluminou o saco onde se lia em letras pretas “foskamónio” …

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.