Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

do pipo ó copo

Ponte de Prado

do pipo ó copo

Ponte de Prado

O COMBOIO

- Deixa lá. Agora somos os primeiros.

Não tínhamos tido lugar na viagem anterior do pequeno comboio turístico, mas ficámos á frente na fila para a próxima.

Passado um tempo atrás de nós colocou-se uma senhora, baixinha e gorda, com o filho entroncado e gordo. O rapaz não parava quieto e ela repreendia-o repetidas vezes com um estridente “Anda prá ‘qui Marco António”.

- Olha aqui para este menino aqui a dar a mão ao pai. – Virou-se para mim – É seu?

Anui com a cabeça…

- Tão loirinho, e você com o cabelo escuro. A quem é que ele sai assim tão loirinho?

- Sai à mãe - respondi.

- É o primeiro? – Perguntou a sorrir, enquanto passava a mão na cabeça do rapaz, que se escondeu atrás de
mim. O Marco António vendo-a a fazer festas a outro menino, enciumado veio-se meter debaixo do seu braço.

- É… o primeiríssimo… - respondi, enquanto olhava em volta, à procura do comboio.

A senhora cruzou as mãos na barriga, e sorria olhando o meu filho, depois virou-se para mim…

- Não sabe como diz o ditado?... O primeiro sai sempre ao pai, o segundo é que sai à mãe.