links
arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Março 2018

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

PINCEL...

INTRO...

JÁ CHEIRA

QUEXUA

EUROS A RODOS...

blogs SAPO
Quarta-feira, 19 de Agosto de 2009
ESTE PAÍS NÃO É PARA LORPAS (3)

 

- … Agora estou melhor…
- Mas o que lhe deu?
- Oh pá, foi uma dor aqui do lado. Fui ao Dr. Luis que me receitou uns comprimidos naturais e que me fizeram bem…
- Comprimidos naturais?... Mas há alguma árvore que dê comprimidos?...
O Sr. Manuel continuou a falar, do bom doutor, não se apercebendo da ironia.
- Aquilo é um mundo, tem o consultório cheio de diplomas, o homem não pára. E tem umas mãos de ouro; fez-me aqui uma massagem cinco estrelas.
- Mas quem é o Dr. Luis. Não conheço esse médico.
- É aquele que tem o consultório naquela farmácia ali no Campo das Hortas…
- Aquela loja de produtos naturais?...
- Sim, uma farmácia cinco estrelas. Aquelas paredes cheias de remédios “até’cima”…
- Mas eu conheço bem o dono, realmente chama-se Luis, mas ainda o ano passado trabalhava como camionista na empresa de mudanças do Sr. Alfredo.
publicado por JP às 22:00
| comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Agosto de 2009
ESTE PAÍS NÃO É PARA LORPAS (2)

Sentado na explanada, bebia uma cola e lia o jornal, deitando um olho ao puto, que se divertia com os brinquedos espalhados num espaço próprio para as crianças. É uma boa ideia de markting, da filha da dona do estabelecimento que anda em Educação de Infância, pois eles trazem os pais…

A dona aproximou-se da mesa, com o passo pesado dos seus quase 100 kg…
- Não ouviu a conversa aí da mesa ao lado?...
- Não estava com atenção. Percebi que estavam a reclamar de qualquer coisa…
- Esta gente está sempre a reclamar. Sabia que a mulher ganha 800 € de rendimento mínimo?...
Fiz que não com a cabeça.
- Pois é. Trabalhava numa fábrica, despediu-se e o patrão deu-lhe o desemprego em troca dos direitos; mamou 3 anos e agora divorciou-se do velhote, que “tava” ao lado dela… Não reparou?... não interessa; aquele é o marido, mas estão juntos na mesma. Divorciou-se, ficou com os filhos à guarda e pimba 800 por mês. 800 que não são 800, pois tem o colégio de graça, e não paga nada nem nos médicos, nem nos hospitais… e isso é muito dinheiro não é?...
- É - concordei…
- Só fico fodida é que ela está sempre a dizer mal do governo. Andam para aí os parolos a trabalhar o mês todo para tirar 500, sim que as das fábricas nem isso ganham, e esta gente leva-a assim direita. Para nós, até é bom que estão sempre aqui metidos…
 
publicado por JP às 19:24
| comentar | favorito
PIM PAM PUM

Escorregou nas escadas, e ao agarrar-se no corrimão, deixou cair o computador, que rolou pelos degraus, desconjuntando-se no soalho da sala.

- Que foi isto, perguntou a mãe, da cozinha?

- Não foi nada, gritou...

Sentou-se, com as mãos na cabeça. E agora? Tinha todos os meus amigos lá dentro.

 

 

publicado por JP às 00:43
| comentar | favorito
Domingo, 9 de Agosto de 2009
R. C. B.

Andavam faz uma hora, pela noite escura, tacteando os caminho, passo apressado pela esperança.

- Ainda falta muito, perguntou a mulher?...
- Não, mais dez minutos.
Caminhavam em fila,  a mulher atrás uns dez passos.
 
Numa conversa ouvira o capataz da firma,  dizendo que à segunda-feira dava no rádio, entre as nove e as dez  mensagens dos soldados do ultramar para as famílias. Desde que contou em casa nunca mais a mulher teve descanso...
Mas na terra ninguém tinha rádio. A insistência da mulher venceu-lhe o constrangimento e pediu ao patrão para os deixarem escutar o rádio.
As noticias do filho eram raras, desde que partiu, pr'ai há dois anos. Ele também nem sabia escrever ou ler.
 
Esperam à porta da casa que esta se abrisse...
Às nove a criada abriu-lhes a porta, e levou-os para uma sala, não sem antes lhes mandar limpar os pés no tapete de entrada. O capataz estava sentado num sofá, junto ao rádio, fumando um cigarro... encostaram-se à parede, ele com o chapéu na mão, fitando o aparelho, ela, chorando baixinho, com as mãos cruzadas sobre o peito.
 
- Daqui Rádio Clube Moçambique... 
 
publicado por JP às 12:00
| comentar | favorito
Sábado, 8 de Agosto de 2009
INOCENCIA...

Sempre pensei que o público alvo das revistas em que aparecem homens todos musculados e meios nús fossem mulheres...

 

 

publicado por JP às 20:35
| comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009
INUTILIDADES

Faleceu Harry Patch, ultimo sobrevivente conhecido da 1ª Guerra Mundial.

 

É a inutilidade dos conflitos armados... apenas servem para que pessoas morram mais cedo.

 

E gastam-se milhões para fazer algo, que a natureza inevitavelmente faz.

 

 

publicado por JP às 17:21
| comentar | favorito