links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Quinta-feira, 9 de Abril de 2015
BUFE...

O Lopes abriu a porta do gabinete e apontou o dedo ao Antunes, que recostado na cadeira, ria-se sozinho…

- Oh pá, eu estou ali de dentro a mirar-te… Estás muito contente… Ainda não a curaste?

Antunes levantou-se de um salto, proferindo em voz alta “Está porventura a insinuar…”, calando-se de seguida com o estrondo da cadeira que caiu no chão. Agarrou-se então à mesa e continuou: “ Estará a insinuar que estou bêbado?...”

- O bafo chega aqui. Vê lá se te aprumas e começas a trabalhar certinho ou vais pra casa.

- Ai que carago… Pensa que me insulta e fica assim. Vá-mos já ver isso e vai engolir as palavras, ai vai vai!...

Pegou no casaco e saiu porta fora. Enquanto se ouvia o carro a arrancar com grande ruido, Lopes encolheu os ombros e voltou para o gabinete…

-- /\ --

“Que se passa aqui…” inquiriu o Sargento Meireles, depois de ouvir a conversa alterada no posto de atendimento.

- Este cavalheiro quer que eu lhe meça o álcool, e eu já lhe disse que não é possível - respondeu o soldado Veiga.

- Claro que não – insistiu o Sargento – o aparelho está na viatura e só é usado em caso de acidente de viação, ou operação stop…

- Mas eu preciso de ter uma prova que não estou bêbado, para esfregar no nariz ao meu patrão que me acusou esta manhã…

- Não sei… Só se… Tá bem… Veiga chame aqui o carro patrulha… Você vai ali pra beira da rotunda e pare ali que o carro vai ter consigo.

Saiu da esquadra e estacionou o carro em cima do passeio, junto à rotunda, com os quatro piscas ligados, deixando-se ficar sentado, cabeça encostada ao volante, parecendo dormir, até chegarem o Sargento Meireles e o Guarda Veiga, que bateram no vidro. Antunes pareceu acordar e saiu do carro de um salto.

- Dê-me o balão que eu bufo, para ir mostrar ao cabrão do meu patrão. Vou-lhe esfregar o papel na cara…

Depois de lhe ser explicado o procedimento, Antunes encheu os pulmões de ar e soprou…

-- /\ --

- Sabe Sr. Dr. Juiz, foram os GNRs, que me puseram nesta situação ao ensaiarem uma operação stop; foi um caso ensaiado; uma armadilha… – pedia encarecidamente o Antunes, com as mãos juntas, sobre o peito.

- Cale-se com isso homem… - disse em tom ríspido o Juiz do tribunal da Beira - Tinha ou não tinha 1.82 gramas por litro?…

publicado por JP às 12:36
| comentar | favorito