links
arquivos

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

.......................
pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

FAZ UM DESENHO...

TRANSGÉNERO...

SO LONG LEONARD...

MARILYN AND JOE DiMAGIO

FELIZ ANIVERSÁRIO

blogs SAPO
Quinta-feira, 14 de Março de 2013
TOQUE DE CAIXA

- As paredes trocaram com o teto e a cama parecia que andava às voltas. Tinha que me levantar e andar de um lado para o outro. A minha mãe começou a pregar aos berros se eu andava ao macho. Nunca mais quero desse veneno, cruzes - dizia a Beatriz, abatida depois de passar a noite em claro…

- Ai, eu também andei de um lado para o outro – retorquiu a Rosa – só me vinha à cabeça, passar o chão a pano e lavar a roupa, isto a meio da noite.

Rosa era cozinheira na “Luisinha da Venda”, mercearia, café e tasquinha, e a Beatriz era a criada de quartos. No dia anterior ao fim do almoço, estava um pacote de café ao lado da cafeteira. Rosa pegou nele, e pensou “cheira bem”…

- É isto que as pessoas vêm cá beber ao fim de comer…

Beatriz levantou-se e pegou no pacote; “parece cevada” disse.

- Dizem que é mais forte, que vem do Brasil.

- E como é? Vai ficar a olhar com isso na mão ou vamos experimentar – disse a Beatriz toda despachada. A Beatriz era uma moça baixinha e gordinha, de espirito alegre e brincalhão, mal falada na freguesia por andar de minissaia.

Rosa aproveitou a água quente e fez o café, como habitualmente fazia a cevada da manhã. Depois pegou em duas chávenas e começou a servir…

- Só esse bocadinho?...

- É assim que eu vejo a servir…

- Não, assim nem chega lá baixo; – levantou-se e pegou em duas malgas de sopa – bote aqui…

 Encheram as malgas e começaram a beber em pequenos goles…

- É bom, mais forte um xixinho que a cevada – Beatriz poisou a malga e limpou a boca com as costas da mão.

Nessa tarde, a roupa, que normalmente, lhe demorava a jornada toda, engomou-a numa hora, e ainda lavou o terreiro novamente, os vidros novamente e metade da estrada…  

Rosa, fez dois bolos, e às quatro já tinha o jantar pronto…

publicado por JP às 16:58
| comentar | favorito
|