links
arquivos

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

.......................
pesquisar
 
Novembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

SO LONG LEONARD...

MARILYN AND JOE DiMAGIO

FELIZ ANIVERSÁRIO

AQUECEDOR

PARABÉNS A MIM...

blogs SAPO
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012
CAMINHO

 

 

 

 

Na mão levava uma cesta de vime, com um pano aos quadrados vermelhos por cima, a tapar uma panela de ferro. Tinha oito anos, e uma vez por semana percorria o caminho entre Prado e a cidade de Braga, para ir ao quartel, onde o irmão mais velho estava colocado, encher a panela com o “rancho”, que sobrava das mesas, e que alimentava a família a semana inteira.

Tinha, pela jovialidade da idade, arranjado confiança com as crianças que ía encontrando e parava a brincar com elas. De brincadeira em brincadeira percorria os sete quilómetros da estrada. Muitas já a esperavam, de semana a semana, como a amiga que passava…

O irmão estava à porta, e com um: “anda comigo”, levou-a para um canto da sala dos cornetins.

- Ficas aqui um bocadinho, que o comandante anda a fazer revista, e não te pode ver aqui. Eu já te venho buscar.

Rosa entrou na pequena arrecadação, que ficava por baixo de umas escadas. Poisou a cesta no meio das vassouras e sentou-se num balde.

Com medo, focou a sua atenção no pequeno raio de luz que entrava pela fechadura, e se focava na parede oposta, e que foi enfraquecendo, até á escuridão total. Tentava decifrar os barulhos que ouvia, permanecendo o mais imóvel possível.

Descortinou então a luz de uma vela que se aproximava, e encostou-se à parede. De repente a porta abriu-se...

- Rosa, eu esqueci-me de ti – O Irmão falava com sofreguidão, acompanhando o frenesim com as mãos. Desculpa-me, mas com isto do comandante eu nunca mais me lembrei. E agora já é noite e nem comida há. Pega nesta broa de pão, mete-o aí na panela. Anda que eu vou contigo até à Cónega…

Sem esperar resposta, pôs-lhe a mão nas costas empurrando-a para a saída.

- Pede desculpa à mãe, mas eu esqueci-me completamente. Levas o pão, que eu depois durante a semana vou ver se levo alguma coisa.

Caminhavam apressados, o irmão mais à frente com a cesta na mão e Rosa tentando acompanhar com pequenas corridas.

- Pronto não posso ir mais. Vais sempre e não tenhas medo. Eu depois passo lá.

- Eu não tenho medo. Já sou crescida…

Rosa começou a caminhar olhando as sombras, que as arvores faziam na estrada, iluminadas pelas fracas lâmpadas da rua. Apressava mais o passo quando passava, de longe a longe, um carro para permanecer na sua luz, e entre um poste de iluminação e outro.

Procurava convencer-se em pensamentos que não sentia medo, e tentava concentrar-se a tentar descobrir pontos do caminho, calculando quanto faltava.

Ao chegar à ponte viu um vulto no meio do nevoeiro do rio a caminhar na sua direção. Era a mãe que vinha à sua procura, estranhando o cair da noite sem qualquer sinal.

- Estardalho de rapariga. Onde te meteste até esta hora?

Rosa abraçou-se na mãe, e começou a chorar. Por entre soluços contou-lhe o que tinha acontecido…

A mãe pôs-lhe a mão na cabeça.

- Anda, vamos pra casa, comer o caldo e uma fatia do pão.

publicado por JP às 17:26
| comentar | favorito
|