links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012
CAMINHO

 

 

 

 

Na mão levava uma cesta de vime, com um pano aos quadrados vermelhos por cima, a tapar uma panela de ferro. Tinha oito anos, e uma vez por semana percorria o caminho entre Prado e a cidade de Braga, para ir ao quartel, onde o irmão mais velho estava colocado, encher a panela com o “rancho”, que sobrava das mesas, e que alimentava a família a semana inteira.

Tinha, pela jovialidade da idade, arranjado confiança com as crianças que ía encontrando e parava a brincar com elas. De brincadeira em brincadeira percorria os sete quilómetros da estrada. Muitas já a esperavam, de semana a semana, como a amiga que passava…

O irmão estava à porta, e com um: “anda comigo”, levou-a para um canto da sala dos cornetins.

- Ficas aqui um bocadinho, que o comandante anda a fazer revista, e não te pode ver aqui. Eu já te venho buscar.

Rosa entrou na pequena arrecadação, que ficava por baixo de umas escadas. Poisou a cesta no meio das vassouras e sentou-se num balde.

Com medo, focou a sua atenção no pequeno raio de luz que entrava pela fechadura, e se focava na parede oposta, e que foi enfraquecendo, até á escuridão total. Tentava decifrar os barulhos que ouvia, permanecendo o mais imóvel possível.

Descortinou então a luz de uma vela que se aproximava, e encostou-se à parede. De repente a porta abriu-se...

- Rosa, eu esqueci-me de ti – O Irmão falava com sofreguidão, acompanhando o frenesim com as mãos. Desculpa-me, mas com isto do comandante eu nunca mais me lembrei. E agora já é noite e nem comida há. Pega nesta broa de pão, mete-o aí na panela. Anda que eu vou contigo até à Cónega…

Sem esperar resposta, pôs-lhe a mão nas costas empurrando-a para a saída.

- Pede desculpa à mãe, mas eu esqueci-me completamente. Levas o pão, que eu depois durante a semana vou ver se levo alguma coisa.

Caminhavam apressados, o irmão mais à frente com a cesta na mão e Rosa tentando acompanhar com pequenas corridas.

- Pronto não posso ir mais. Vais sempre e não tenhas medo. Eu depois passo lá.

- Eu não tenho medo. Já sou crescida…

Rosa começou a caminhar olhando as sombras, que as arvores faziam na estrada, iluminadas pelas fracas lâmpadas da rua. Apressava mais o passo quando passava, de longe a longe, um carro para permanecer na sua luz, e entre um poste de iluminação e outro.

Procurava convencer-se em pensamentos que não sentia medo, e tentava concentrar-se a tentar descobrir pontos do caminho, calculando quanto faltava.

Ao chegar à ponte viu um vulto no meio do nevoeiro do rio a caminhar na sua direção. Era a mãe que vinha à sua procura, estranhando o cair da noite sem qualquer sinal.

- Estardalho de rapariga. Onde te meteste até esta hora?

Rosa abraçou-se na mãe, e começou a chorar. Por entre soluços contou-lhe o que tinha acontecido…

A mãe pôs-lhe a mão na cabeça.

- Anda, vamos pra casa, comer o caldo e uma fatia do pão.

publicado por JP às 17:26
| comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012
POR HOJE

João, soube do barulho e esperou escondido no escuro temendo que o pai fizesse algo muito violento. Ele já tinha experimentado a sua fúria; numa discussão levou uma facada na perna, rasgando-lhe a farda. Tinha-se alistado no exército como voluntário, maneira que encontrou para sair de casa.

Tinha boas recordações da sua infância e de como a vida corria bem com o negócio de canos de cimento, que trouxeram da França, mas depois veio a falência e o vício do álcool; a miséria, tanto monetária como moral, tomou conta do pai.

João, Manuel e José, eram os mais velhos, tinham nascido com intervalo de um ano entre eles e já tinham saído de casa. Depois veio a Teresa, um pouco mais tarde, e estava a servir em Braga. René, Rosa e Conceição nasceram uns anos depois com intervalo de dois anos entre eles. Quando a Rita nasceu já João tinha filhos mais velhos.

Quando o pai chegou, bêbado, encostou-se à porta da cozinha pronto a entrar, se a mãe gritasse por ajuda como tinham combinado, dizendo a si próprio que faria o que fosse preciso, embora a sua consciência continua-se a dizer que não poderia bater no pai. Foi-lhe ensinado na doutrina que era pecado…

Ouviu um estalo e as palavras alteradas “merecias muito mais mas por hoje fica assim”. Depois o silêncio. Da mãe não ouviu um grito, nem um gemido nem choro.

Esperou 10 minutos com os punhos cerrados, encostado à porta. Depois esta abriu-se e a mãe disse-lhe para se ir embora, que estava tudo bem. O pai já dormia…

João deu a volta à casa e bateu à janela do quarto dos pequenos. Rosa abriu…

- O pai está a dormir. Até amanhã.

Rosa olhou para os irmãos “já podemos dormir. Por hoje está tudo bem” e deitou-se. Aos pés dormia a Conceição e separado por uma manta pendurada no tecto, René.

 

publicado por JP às 18:40
| comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012
RESPEITO

- Arranjaram-me estas sardinhas. Prepara-as para a janta, com cebolada, que o Manel e o Tone Gomes vêm cá comer.

Luísa Peixota passou a tarde a preparar e a amanhar o peixe, porque tinha fama de cozinheira e não queria as pessoas, que vinham a casa, tivessem algo para dizer.

À noite, a Rosa, o René e mais nova, a São estavam sentados num canto da mesa, cara lavada e cabelo penteado, esperando a chegada do pai com as visitas.

Estavam excitados; era uma festa surpresa, uma comemoração, um baile talvez…

O Pai chegou, disse à mãe que podia servir e os três sentaram-se. Luísa pegou na travessa das sardinhas e das batatas cozidas que tinha deixado em cima do fogão de ferro, para não arrefecer, e poisou-as em frente ao marido.

Zé Ribeiro levantou-se e pegou na travessa das sardinhas e começou a inclina-la em cima da mesa. Virou-se para a mulher, sobrancelhas carregadas…

- Mas onde raio está o molho da cebolada. As sardinhas estão secas…

- Mas Senhor meu marido, foi de estar à espera…

Zé enfureceu-se e pegou na travessa a atirou-a ao chão. A melhor que havia em casa partiu-se em mil bocados. Não satisfeito calcou com os pés as sardinhas em cebolada, esmigalhando tudo numa papa. Depois olhou para a mulher e levantou a mão… Manuel Gomes que estava ao lado agarrou-lhe o braço…

- Ó Ribeiro deixe lá isso… Não faça isso homem…

 Soltou-se, apertou o casaco…

- Vamos à caranga que lé come-se como deve ser. Logo conversámos – disse ameaçador olhando a esposa.

As crianças choravam encostadas a um canto. Tinham-se levantado da mesa de um salto e apertavam-se as três no canto da cozinha.

Luísa Ribeiro limpava as peças da loiça e a papa de sardinhas e cebola.

- Calai-vos que eu guardei umas sardinhas no forno. Comemos, bebemos e logo vemos…

publicado por JP às 17:48
| comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Novembro de 2012
TRÊS SEMANAS

À noite olhava para o céu estrelado, da janela do sótão e tentava descortinar a direção por onde poderia correr para chegar a casa.

Depois deitava-se no colchão de palha estendido no chão, agarrada à boneca de trapos que tinha conseguido esconder na trocha da roupa, chorando com saudades e sonhando com o caminho por onde poderia correr para chegar a casa.

Aos sete anos, 40 km de distância são somas de passos imaginários e não de metros acumulados.

Uma prima tinha arranjado este emprego, na cidade do Porto, como criada dos meninos, numa casa boa e farta, austera mas honesta, como não se cansava de dizer.

Na terceira semana, teve a primeira folga. Escondeu a trouxa no rés-do-chão, por trás da porta de saída, enquanto os senhores almoçavam.

O relógio da sala tocou a Ave-maria e quando dava as três badaladas, saiu para a rua, olhou para trás, e começou a caminhar rua abaixo com a certeza que não voltaria mais.

publicado por JP às 17:56
| comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012
CONHECIMENTO

- Estão a bater? Rapaz vai ver quem é – virou-se para o René que estava sentado na ponta do banco.

René levantou-se de um salto com um “licença meu pai” entre dentes e logo voltou a correr…

- É a “fessora” da Tita, quer falar consigo meu pai.

O Sr. Ribeiro poisou a colher na malga da sopa, bebeu um gole de vinho, levantou-se resmungando “já nem se pode comer na paz do senhor…”

A Rosa tinha entrado para a escola no ano anterior. As letras e os números harmonizaram-se em si, e no último período a professora colocou-a junto com as alunas da 2ª classe. Este ano começara faz quinze dias e ainda não se tinha matriculado…

À mesa, entre uma colher de caldo e outra, Rosa tentava ouvir a conversa que se passava ao portão de entrada, entre o pai e a professora.

Sr. Ribeiro, eu peço-lhe que deixe a sua filha continuar na escola. Ela é muito esperta e é uma pena que não continue…” dizia a professora com voz grave. Do pai ouvia “vou pensar, vou pensar

Se o problema são despesas, eu pago-lhe os estudos. Se deixar, ela pode até viver na minha casa. É uma pena que não continue…”. Em resposta um “vou pensar” irritado.

Entrou, sentou-se à mesa, virou-se para a filha: “Sabes ler e escrever, não sabes?”, Rosa anuiu com a cabeça.

- Então já te chega. O que ela quer é uma criada, pra ter em casa.

publicado por JP às 14:25
| comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012
QUEM ME DERA

- Vô, fomos aí pela estrada acima, pedir pão – enquanto falava abriu o lenço da cabeça, com vários pedaços de pão de milho – eu e o Reiné. Pedimos pra si, mas já comemos alguns…

Há vários anos que o avó estava entravado, da cama para a cadeira do coberto, para apanhar sol nos pés, e daí para a cama.

- Pode ser, dá-me um bocado. Olha lá, ninguém vos deu um cigarrinho? Isso é que era. Olarila, isso é que era…

publicado por JP às 11:09
| comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012
O LÁPIS BRANCO

Fez o ditado sem erros, e teve um prémio. A professora abriu uma caixa com lápis e disse-lhe para escolher um.

No meio das cores estava um lápis branco; nunca tinha visto um lápis branco. Escolheu-o.

Orgulhosa chegou a casa e mostrou o prémio. Pegou numa folha e tentou pintar… pegou num pedaço de um papel azul e tentou de novo. Mas nada saía da ponta do lápis.

O pai chegou-se por trás, espreitou o papel e deu-lhe uma sapatada na nuca.

“Ai agora choras… Raio de rapariga, vai logo pegar num que não serve pra nada…”

 

publicado por JP às 13:59
| comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012
A MINHA MÃE

publicado por JP às 00:04
| comentar | favorito