links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Quinta-feira, 26 de Julho de 2012
RICARDINA

publicado por JP às 20:36
| comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 17 de Julho de 2012
ACHAS QUE É FÁCIL? ACHAS?...

Moisés arrastava-se, com a cara no chão, enquanto se aproximava da sarsa ardente, que com as suas chamas iluminava a noite no deserto, obedecendo ao chamamento de Deus.

Da escuridão irradiou uma voz poderosa “Pega nos meus mandamentos e dá-os ao meu povo para que os cumpra e viva segundo os seus preceitos!”

Temeroso Moisés abanou a cabeça em sinal de atendimento, enquanto pegava nas pedras da lei. Prostrado por terra atreveu-se no entanto, a pedir ao seu senhor: ”Meu Deus humildemente te peço se não seria possível aliviares o fardo do teu povo, que muito sofre neste deserto árido e sem vida”.

Fez-se silêncio. O coração de Moisés encheu-se então de medo e começou a recuar, rastejando, com as pesadas pedras no braço…

- Calma. Espera aí – disse-lhe Deus com uma voz calma, suspirando.

Desceu dos céus e colocou-se à sua frente.

- No início dos tempos eu criei tudo o que existe. Criei o que não havia. Nesses tempos criei as leis da natureza, válidas em todo o universo, a que todos obedecem. E também estabeleci que ninguém está acima da lei. Eu podia pôr isto tudo relvado, rios de águas límpidas, árvores de fruto e animais dóceis, para te aliviar o caminho. Podia, mas não posso. Tudo isso ía contra as leis da natureza, que se somam e se cumprem e estabelecem que isto é um deserto que obedece às leis de um deserto…

- Mas tu separas-te as águas e deixaste-nos passar a pé enxuto…

- Isso é muito fácil. Difícil foi inventar um vulcão, um tsunami, e um vento forte de leste. Prejudiquei muita gente… sem contar com os egípcios.

Deus ergueu os olhos ao alto e sentou-se numa pedra.

- É que… que – hesitou abrindo as mãos – Vê se me percebes… posso fazer umas coisas aqui e ali a que eu próprio fecho os olhos. Mas não posso desobedecer continuadamente às minhas leis. Senão seria um fora-da-lei e teria que me mandar prender…

- Mas tu és Deus – balbuciou Moisés, levantando a cabeça, mas olhando para o lado.

- Pois sou. Eu sei que sou. Grande novidade. Mas, vê se percebes, se as criei tenho que as seguir, senão não haveria leis, não era? Se não as seguir então para que as fiz? Por insanidade? Podia alegar a mim mesmo que foi um acto de loucura momentânea? Mas se sou Deus, não posso cometer loucuras, nem tenho insanidades, nem nunca me engano… Tás a ver o dilema?... Eu próprio – apontou a mão ao peito - lixei-me a mim
mesmo.

Moisés recuou então começando a descer o monte…

- Espera aí – pediu Deus – leva só uma tábua da lei. Pronto, ficas só com dez mandamentos, deixa os outros dez. Assim já alivias o povo um bocadinho.

Deus baixou a cabeça e apertou-a entre as mãos. “Merda pra isto”, disse baixinho.

 

publicado por JP às 15:56
| comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Julho de 2012
O COMBOIO

- Deixa lá. Agora somos os primeiros.

Não tínhamos tido lugar na viagem anterior do pequeno comboio turístico, mas ficámos á frente na fila para a próxima.

Passado um tempo atrás de nós colocou-se uma senhora, baixinha e gorda, com o filho entroncado e gordo. O rapaz não parava quieto e ela repreendia-o repetidas vezes com um estridente “Anda prá ‘qui Marco António”.

- Olha aqui para este menino aqui a dar a mão ao pai. – Virou-se para mim – É seu?

Anui com a cabeça…

- Tão loirinho, e você com o cabelo escuro. A quem é que ele sai assim tão loirinho?

- Sai à mãe - respondi.

- É o primeiro? – Perguntou a sorrir, enquanto passava a mão na cabeça do rapaz, que se escondeu atrás de
mim. O Marco António vendo-a a fazer festas a outro menino, enciumado veio-se meter debaixo do seu braço.

- É… o primeiríssimo… - respondi, enquanto olhava em volta, à procura do comboio.

A senhora cruzou as mãos na barriga, e sorria olhando o meu filho, depois virou-se para mim…

- Não sabe como diz o ditado?... O primeiro sai sempre ao pai, o segundo é que sai à mãe.

publicado por JP às 18:03
| comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Julho de 2012
EPIFANIA

Naquele tempo, Jesus passeava com os seus discípulos pelo mercado na cidade de Jamirai, e em todos aqueles que a sua sombra tocava ficavam curados das suas doenças, chagas, deformações e pecados.

Josié sentiu um formigueiro nas pernas. Levantou-se de um salto, apalpou os membros, antes inúteis, e de imediato lançou um grito. Correu atrás de Jesus que era rodeado pelo povo…

- Mas quem pensas tu que és?... quem te deu o direito de vires para aqui curar-me – gritava – como é que eu vou ganhar a vida agora?...

Tentou furar pelo meio da multidão, mas não conseguia.

- Maldito sejas! Desgraças-me e vais-te embora. Como é que eu vou viver? Onde é que eu vou ganhar dinheiro agora, sem poder pedir?

De repente viu uma aberta por entre as pessoas, e numa corrida ficou frente a frente com Jesus…

- Quem te deu o direito de fazeres isto – apontando para as pernas – desgraças-me a vida assim sem mais nem menos? Como é que eu vou viver?

- Tenho a certeza que encontrarás o teu caminho, meu filho – disse-lhe Jesus.

- Filho? – gritou – mas quem pensas tu que és para me chamar filho? Eu conheci bem o meu pai, e a ti nunca te vi por aqui. Vai chamar filho a outro – ameaçou de mão no ar, enquanto era empurrado pela multidão, que se afastava.

 

Jamirai dormia á luz das fogueiras, ateadas pelas sentinelas romanas, da casa do governador. De repente gritos lancinantes encheram a escuridão. Josié gritava agarrado à perna, que tinha sido cortada, acima do joelho, a golpe de machado, pelo ferreiro da cidade a troco de duas moedas de ouro…

publicado por JP às 16:59
| comentar | favorito