links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010
NÃO PRECISAS DE ME BEIJAR A MIM...

Falava-se na crise, e eles insistiam na culpa do estado, na culpa do “eles”, e enquanto ouvia ia crescendo em mim um sentimento de irritação…

“Em vez de estares aí a falar mal do estado, devias agradecer o facto de nem o 9º ano teres, e de na escola, seres um burro de todo o tamanho, mas que graças ao estado tens regalias quer muitos de nós nem sonham, e ganhas ao nível de um licenciado e vais ganhar isso até que morras. E tu em vez de falares nos ladrões do rendimento mínimo, olha para ti e lembra-te do garfo que engoliste e que o estado te deu a reforma por isso e agora andas a trabalhar porque sempre tiveste bom cabedal, a tirar o lugar a um desempregado e continuas a receber a reforma. Vocês os dois deviam era beijar o estado no cu. E lembro-lhes que eu acho que o estado somos todos nós…”

Deveria ter dito isto, mas levantei-me e saí em silêncio. Um silêncio de desprezo note-se…

publicado por JP às 12:00
| comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010
BRAGA, 0 - SHAKHTAR DONETSK, 3

Se o optimismo era evidente, com as pessoas sorridentes e participativas na festa que começava e que acreditavam se prolongaria pelo devir das horas, no fim dos 90 minutos todos caminhavam cabisbaixos em direcção à saída, uns de cara fechada, outros dando tácticas infalíveis, outros pondo em causa a equipa, quais mourinhos do Minho…

Na inocência dos seus 4 anos, o meu filho que durante o jogo tinha participado nos incentivos, gritando, batendo palmas, só se refugiando no meu colo quando os assobios subiam de tom, ou se ouvia um filho da puta mais explicado, olhava para mim com os olhos muito abertos, admirado de ninguém lhe meter pimenta na língua, ao ver as pessoas levantarem-se perguntou:

- Acabou pai? O Braga ganhou?

- Ganhou, respondi-lhe.

Pôs-se de pé na cadeira e de braços abertos gritou: “Fixe!”

Pelo menos as pessoas que se encontravam naquele sector, sorriram, esquecendo a tristeza. Aja alegria…

publicado por JP às 17:29
| comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Setembro de 2010
O MEU PÁRA-QUEDAS?...

Esta noite tive um daqueles sonhos, que dizem os entendidos (!) nos podem levar à morte. E que segundo eles, explicam muitos casos de mortes súbitas, durante o sono, de pessoas que aparentemente gozariam de perfeita saúde.

No sonho eu era o padrinho de casamento do Saviola (sim esse mesmo, o do Glorioso). Os convidados saíram da minha casa, que era a casa onde vivi a minha infância e o cortejo era feito em avião.

O aparelho do noivo era grande e funcionava a pedais. Cada passageiro pedalava directamente para uma hélice, que o fazia mover-se no ar.

Levantando atrás do avião do noivo, o meu, que eu pilotava, parecia um “Spitfire”, roncando fez uma curva à esquerda, passou com a asa esquerda a rasar um telhado, lembro-me perfeitamente de sentir um aperto pensando que ia embater, levantou folhas de uma árvore que estava a seguir, pregando-me novo susto, e sempre em aceleração, subindo, de surpresa embateu em cheio em outra árvore, fazendo-nos saltar do aparelho, indo o avião para um lado e nós para outro, e enquanto caíamos no abismo, aos trambolhões em direcção ao solo, eu sozinho e a minha esposa com o nosso filho agarrado, íamos dizendo adeus uns aos outros…

Depois acordei, com o rapaz subindo pelas minhas costas e deitando-se às escuras, que só a luz difusa do rádio despertador deixava distinguir. Ele adormece no quarto dele, mas se acordar a meio da noite, dá uma corrida para a nossa cama e mete-se no nosso meio.

Quase nunca me apercebo, e só de manhã dou acordo da sua presença, mas esta noite, quando meteu o joelho nas minhas costelas, o puto, salvou-me de uma morte certa por queda das alturas, acho eu…

publicado por JP às 17:34
| comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Setembro de 2010
É DURO.

O Durão Barroso, que parece, defendeu com unhas e dentes os "ciganos franceses", hoje ao almoço, é o mesmo que com um sorriso nos lábios deu o seu consentimento à condenação de milhares de iraquianos à morte, na célebre cimeira dos Açores?...

 

publicado por JP às 18:20
| comentar | favorito