links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Sexta-feira, 30 de Julho de 2010
D. GENINHA TINHA UMA GALINHA.

D. Geninha tinha uma galinha,

Não dava milho à bichinha,

Dia a dia mais magrinha,

Coitada, nem ovos punha.

 

Fugia para a vizinha,

Pra comer qualquer coisinha,

Ia busca-la a Geninha,

Ou trazia-a a Teresinha.

 

É dona da outra galinha.

Come muito, está gordinha,

Tem uma bela vidinha,

Põe ovos com farturinha.

 

A galinha da Geninha,

Ocupava a cabecinha,

Com o porquê da fominha,

Sendo a dona tão gordinha.

 

Filosofava, tontinha,

Com a galinha da Teresinha,

O porquê desta vidinha,

Infeliz que nada tinha.

 

A outra ouvia a queixinha,

Receosa da papinha,

Para uma era fartinha,

Para duas poucochinha.

 

A galinha da Geninha,

Ao ouvir a ladainha,

Não mais fugiu prá vizinha,

Vivia com o que tinha.

 

Continuou a vidinha,

Sempre na mesma linha,

Para uma, um nadinha,

Para outra farturinha.

 

A galinha da vizinha,

Um dia ouviu a Teresinha,

A falar numa canjinha,

Para a filha pequenina.

 

Assustou-se a coitadinha,

Tentou fugir prá Geninha,

Mas estava tão gordinha,

Nem levantou a perninha.

 

Num assomo de emoção,

Olhou para o coração,

Depois olhou pra vizinha,

E chamou-a em voz baixinha.

 

Tu podes voar,

Mas voa pró outro lado,

Em vez de vires petiscar,

Constrói pra ti outro fado.

 

Se saltares aí o muro,

Podes voar sobre o mar,

Escolher o teu futuro,

Encontrar a quem amar.

 

Como nunca me lembrei?...

Só pensava em milho-rei…

A minha dona é tão má

Não lhe faço falta cá.

 

Amiga, somos galinhas,

Supostamente burrinhas,

Muitas vezes me lembrei,

Mas o passo nunca dei.

 

Tu tinhas mais que fazer,

Em tentar sobreviver.

Eu que podia comer,

Nunca pensei em viver.  

 

Vai e não faças como eu,

A barriga me perdeu.

Agora vou prá panela,

Ou é canja ou cabidela.

 

publicado por JP às 17:13
| comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Julho de 2010
DOU.

- Hoje a lua está grande, filho; anda, vamos ver a lua no telescópio.

- No teu telescópico?...

- Sim, espreita aqui.

- A lua tá aqui dento do bulaquinho? Pendeste a lua Pai?

- Não filho, só fica mais perto.

- Pai, caças a lua e dás a mim? Posso bincar com ela?...

publicado por JP às 14:23
| comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 26 de Julho de 2010
O SENTIDO DA VIDA

Parece ter um sentido,

Bom, mau ou assim-assim,

Branco, preto ou afim

Falado em grego ou latim

Feminino, masculino ou querubim

Talvez doce, ou amargo,

Talvez salgado, comido d’um trago…

Insosso com perlimpimpim,

A vida parece ter um sentido,

Pra todos, menos pra mim!

publicado por JP às 14:14
| comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Julho de 2010
PECADO

Quando o pároco começou a falar, da boca saiu-lhe um “ámen”, e de boca aberta foi ficando vermelha, envergonhada, sentindo-se mingar a cada palavra que lhe chegava aos ouvidos. Ao sair da fila tentou agir de forma o mais normal possível, e ao chegar ao seu lugar, disfarçou, fazendo cara, de alguma coisa esquecida lá fora, e saiu, passo ligeiro, sem olhar para trás. Caminhando apressada, a raiva ia substituindo a vergonha, e cerrando os punhos, gritava baixinho, “cabrão, cabrão, cabrão…”, tentando tirar da cabeça as palavras do padre, que lhe ressoavam com o eco da igreja: “Minha senhora, sendo conhecedor da sua situação familiar, pecaminosa, em consciência não lhe posso dar a comunhão, pelo que agradecia que saísse da fila...”

Durante a semana evitou sair, esperando que o falatório cessasse, ou diminuí-se. E como falaram. Sabia-o, porque havia sempre alguém que fazia questão de lho comunicar, pondo sempre as palavras em nome de outro alguém.

Resolveu a questão, frequentando outras igrejas, mas as palavras do padreco, como começou a chamar-lhe, não lhe saiam da cabeça, e o medo do inferno, começou a entranhar-se em si. “Mas como resolver a situação, como?” – perguntava-se.

Maria dos Anjos tinha enviuvado vai para dez anos, do Sargento Gaspar, e vivia à três anos, com um seu vizinho, um solteirão que ainda casada já lhe empiscava o olho, e que insistente a conseguiu levar ao pecado, passado o luto da alma. E nunca tinha pecado de tal forma com o autoritário Sargento. 

Uma noite, deitada, contando as horas, teve uma ideia…

- Zé acorda. Diz-me uma coisa – disse abanando o companheiro que dormia virado para o outro lado - a CEE é tudo do mesmo país, não é?

- Acho que sim. Porque queres saber isso a esta hora?... Deixa-me dormir…

- É que podíamos ir casar à Espanha. Assim ninguém sabia e ficávamos legais.

- Que raio de ideia. E porque é que ninguém podia saber?...

- Que carago Zé, então?... Assim podia continuar a receber a minha reforma do falecido.

 

 

publicado por JP às 18:29
| comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Julho de 2010
ÁLCOOL ISOPROPÍLICO

A farmácia do hospital, uma vez que fica no centro da cidade, não tem espaço para estacionamento, e por isso deixei o veículo com as rodas da frente em cima da passadeira, e em passo de corrida dirigi-me ao balcão para levantar um frasco de um manipulado qualquer de nome esquisito, para a área de engenharia, e que tinha sido pedido por telefone 20 minutos antes.

A menina que me atendeu, depois de despachar um casal que insistia e insistia que o medicamento que estavam a comprar tinha comparticipação, apesar de na embalagem dizer o contrário, não estava a par do assunto e foi chamar a chefe, que por sua vez também não sabia, e ia chamar o técnico do laboratório.

E eu a ferver, olhando para a porta, sempre há espera que um policia aparecesse para passar a multa, uma vez que a esquadra é mesmo por trás do edifício, apesar de ter ligado as 4 piscas, que, ao que parece, justificam todos os maus comportamentos rodoviários…

Neste momento aproxima-se de mim uma Freira, magrinha, carcomida pelos muitos anos acumulados nos ossos, olhos brilhantes lacrimejantes, e poisando-me uma mão levezinha no braço disse:

- Não se preocupe menino, que vai correr tudo bem.

Olhei para ela e sorri, e apesar de não ter ficado mais descansado, acabou por correr tudo bem. O técnico do laboratório, sabia o que eu queria…

publicado por JP às 18:34
| comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Julho de 2010
ESCUTS

No seguimento de uma ideia, tida ao adormecer, manda o governo na pessoa do Excelentíssimo Sr. Eng. José Sócrates, que se publique este Decreto-Lei, depois de um consenso alargado entre as forças politicas com representação parlamentar, e do acordo estabelecido entre o PS e o PSD, que regulamenta o pagamento de portagens nas vias identificadas como SCUTS, a partir da sua entrada em vigor.

Artigo 1º - Obrigatoriedade

Todos os veículos automóveis, que circulem nas vias identificadas como SCUTS, terão que pagar uma portagem, por meios electrónicos, proporcional ao uso das mesmas, com as excepções identificadas no artigo seguinte.

Artigo 2º - Isenções

Estão isentos do pagamento de portagens, nas vias identificadas como SCUTS, as seguintes excepções que a seguir se descriminam:

a)      Membros do Corpo Expedicionário Português que combateram na Flandres;

b)      Membros que estejam no serviço efectivo dos diversos corpos de manutenção da paz, em países estrangeiros;

c)       Ex-combatentes da guerra do ultramar, que tenham prestado serviço entre 01 de Janeiro de 1969 e 31 de Dezembro de 1971;

d)      Habitantes de Timor Lorosae;

e)      Membros no activo, reserva ou reforma do Exército, Força Aérea e Marinha, militares da GNR, da PSP, do SEF, policia Judiciária, e dos Governos Regionais;

f)       Reformados da Função Pública;

g)      Reformados do Regime Geral;

h)      Reformados de Cargos Políticos;

i)        Veículos automóveis de matrícula portuguesa anterior a 1989;

j)        Veículos automóveis de matrícula portuguesa superior a 1988;

k)      Veículos automóveis de matrícula francesa do “batment 76”;

l)        Veículos que não tenham “chip” electrónico de cobrança;

m)    Veículos que circulem sem condutor;

n)      Familiares, até ao 13º grau, de Membros das várias casas do Sr. Presidente da Republica, actual e anteriores, membros dos governos da república, actual e anteriores, Deputados da Assembleia da Republica actuais e anteriores, presidentes de Câmara Municipal, Juntas de Freguesia, e membros das Assembleias Municipais;

o)      Veícul…  

publicado por JP às 14:05
| comentar | favorito