links
arquivos

Novembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Maio 2017

Março 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

favorito

SO LONG LEONARD...

MANDEI A ITÁLIA PRÓ CARAG...

VIAGENS...

TINTURA

DA RUA PARA O CONVENTO.

É A VIDA...

blogs SAPO
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008
MOSTRA OS DENTES...

- Ontem ao sacudir a toalha, na sacada os dentes cairam cá abaixo. Esqueci-me deles dentro da toalha e cairam na vossa sacada... Será que podias ir lá buscá-los?...

Fui à sacada do Gabinete onde trabalho e não vi nada...

- Não estão... venha comigo ver...

- Não é nesta sacada. É naquela...

Na sacada ao lado lá estavam os dentes ao sol. O problema era atravessar, pois tem uma divisória em aluminio e vidro, mesmo até ao limite.

- Ok, eu vou lá D. Manuela...

Perigosamente agarrado, digo eu, à frágil divisória, pés tacteando o muro, para não escorregar, sem olhar para baixo, que tenho medo das alturas, passei ao outro lado...

- Obrigado Joãozinho. Deus te pague...

 

publicado por JP às 19:14
| comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 19 de Junho de 2008
O FUTURO.

É um velho sonho de toda a gente, conhecer o futuro. E eu hoje consegui ver o futuro. Pouca coisa  2 segundos apenas.

E o facto é que saber o que ia acontecer não me entusiasmou, provoando antes um sentimento cinzento que me levou a desistir de assistir ao jogo dessa maneira.

Estava a ver as imagens na televisão e a ouvir o relato via rádio, e o som estava adiantado em relação às imagens... Ao fim de 15 minutos apaguei o rádio.

Nem sempre saber o futuro é bom!

 

publicado por JP às 21:41
| comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008
ASSIM COMEÇA A FICAR CHATO...

Mas é que eu peço sempre para trocarem... Peço sempre um de plástico se for possivel... Mas de todas as vezes, sorriem; "Ele vai-se portar bem, lindo menino..."

Pronto, depois é a aflição, "cortou-se?..."

 

Menos um. Continua a contribuição para a restauração da industrial vidreira nacional...

 

 

 

publicado por JP às 17:13
| comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 6 de Junho de 2008
A BÉ APARECIDA...

 

Na quarta-feira da semana passada a Bé tinha desaparecido.
Ontem, depois de nos dias anterior ter procurado pela vila, e não a ter encontrado, resolvi ir à freguesia vizinha, que fica do outro lado do rio. Dizem que os cães não atravessam pontes, mas quem saberia…
No entanto no fim de jantar, ainda pensei “duas” vezes. Primeiro porque me parecia ser uma impossibilidade e segundo porque estava cansado, depois do trabalho, naquele que se pode considerar o primeiro dia de primavera, e ainda a loiça para lavar…
Mas tinha dito à minha mãe que talvez lá fosse e ela iria perguntar se tinha ido e eu iria dizer que não e por isso fui. Meti o Joãozinho no “calhambeque”, sem cintos de segurança, nem cadeirinha, no banco de trás, onde ele se sentou a brincar com o cinzeiro num abre e fecha repetido, e fomos até à marginal. Como os piscas deixaram de funcionar, não virei logo na rotunda que dá acesso, pois estava muito transito e teria que parar no meio da estrada. Fomos até Merelim, onde a berma é larga e dá para esperar antes de inverter a marcha.
Na marginal em marcha lenta a olhar para os passeios e bermas, fomos até onde a ponte da via rápida a atravessa, e resolvi voltar, pois, pensei, nunca um cãozito pequeno andaria mais além.
No entanto um camião aproximava-se, e para não dar a volta, devido à falta de piscas decidi continuar, até que ele me pudesse ultrapassar.
E ao chegar à rotunda da Ponte do Bico, para quem não saiba, fica bué bué de longe, olho para o passeio e vejo a Bé sentada.
 
Quando chegou a casa da minha mãe, depois de pular, saltar e lamber, por momentos ainda duvidei que fosse ela, pois comeu sopa com batatas cozidas e couves…
publicado por JP às 14:53
| comentar | ver comentários (2) | favorito